Tolerância – 24/ago/16 – Rodrigo Teixeira de Faria

tolerância

A tolerância é regra criada para melhoria da convivência dos seres encarnados. Nada se confunde com regras espirituais. Talvez seja reflexo de regras superiores que buscam a harmonização de espíritos tão diferentes no mesmo plano terrestre. Daí, para amenizar os constantes choques, criou-se a regra humana da tolerância. No plano espiritual, a tolerância está ligada a ideia de que temos a mesma origem. Independentemente do nome que você dê, se luz, energia, Deus… os seres estão ligados a uma única fonte e isso revela a identidade da natureza de cada um. Apesar das aparências físicas distintas, a essência é a mesma; a fonte primária é idêntica a todos. Logo, como ser avesso ao outro se o que nos constitui é idêntico? A partir deste ponto as possibilidades de pensamento aumentam e se espalham pelos mais variados campos da vida terrena. Se eu professo determinada fé e meu companheiro outra, devemos entender que a essência permanece a mesma e por isso não somos seres estranhos um ao outro, pelo que a aparente diferença deve se limitar a aparência. Sabendo desta informação, entendemos o segundo aspecto fundamental, que é o amor. Aqui, o amor que sentimos pelo nosso ser, que nos permite diversos zelos e cuidados, deve ser dispensado ao próximo. Se apesar das diferenças aparentes, estou consciente de que tenho a mesma origem que os outros seres, e dedico a eles o mesmo amor que tenho pelo meu ser, atinge-se a plenitude da convivência (ou experiência) espiritual, que certamente estará representada por ações e gestos de igual beleza no plano terreno. Na vida, ser tolerante é agir com consciência e sabedoria suficientes para não afastar os seres que carregam marcas distintas. É não permitir que as diferenças físicas do campo terreno se tornem obstáculos a plena convivência entre os espíritos encarnados. Por óbvio, nem todos terão papéis importantes nesta sua passagem. Porém, outros tantos o serão e somente com essa consciência é que se enxergará para além do físico, extraindo importantes lições que o auxiliarão na sua jornada. Ninguém disse que esta é uma missão fácil, ainda mais quando acrescentamos o fator emocional. Mas não é nada impossível. Como tudo, depende de uma boa dose de disposição, boa vontade e disciplina.