Escolhas – 17/ago/16 – Rodrigo Teixeira de Faria

Cada ser humano é único porque vive determinado estágio no campo espiritual, Não é possível pular etapas a não se que o próprio indivíduo experencie algo que o transforme. Em regra, a luz é dada na exata medida que cada olho pode suportar. Desta forma, você poderá justificar as incompatibilidades como bem quiser. O fato é que pouco efeito trará para o campo espiritual ou de evolução. A você é dado o direito de fazer suas escolhas com base nas experiências de vida, apenas tome cuidado para que tais escolhas não gerem “pendências” futuras ou desgastes em relações adjacentes. É preciso agir com cautela e inteligência para que o caminhar seja sempre livre, solto, leve e avante. Essas eventualidades atrasam o nosso desenvolvimento. Se certo ou errado, dependerá muito das formas das interações, mas não da decisão em si de se aproximar ou de se afastar desta ou daquela pessoa por esse ou aquele motivo. Se não é algo que lhe motiva ou empolga, é simplesmente algo que não lhe motiva ou empolga, nada mais. Não amplie para dimensões que não representem a realidade para evitar criar problemas que não existem. No campo das relações humanas, esta atividade é muito complicada, pois a tendência é criar situações irreais que tristemente geram rusgas espirituais e conflitos não resolvidos.